Sustentabilidade - Coleta seletiva de lixo A SOLUÇÃO

Sempre pensei muito sobre sustentabilidade e na vez passada que conversei com o Rod aqui em Maringá tive uma ideia bem interessante, IMHO.

O Problema

Fico pensando quantas pessoas que separam o lixo reciclável dentro de casa de verdade. Pois em nenhuma casa que visitei eu vi 4 lixeiras separadas. E mesmo separando, o maior problema é para onde ele vai e quem é que explora ele.

Como sabemos existem diversas cooperativas de reciclagem porém não há uma integração deles com a população.

Logo pensei em criar um projeto de uma LIXEIRA que seja feita de materiais reclicados por essas cooperativas, mas o maior investimento viria das empresas.

A Questão

Você vê uma lixeira a cada 2 ou 3 posts em toda sua cidade?

Muito provavelmente não né?

A Solução

Imagine que em cada lixeiras poderia ser colocado um adesivo de propaganda da empresa que investiu em um número X de lixeiras e em qual quadrante da cidade.

Com isso conseguimos que até as pequenas empresas de bairro possam investir nem que seja para colocar as lixeiras em uma ou outra rua apenas, mas que pelo montante dos pequenos possa ser muito, te lembrou a Anarquia?

Nesse caso as empresas pagariam por mês para mantê-las limpas e quem irá limpar sempre será um colaborador (catador) da cooperativa.

Porém tendo elas em boa parte da cidade, podemos dividir em quadrantes para que cada colaborador precise cuidar apenas de uma quantidade X de ruas e lixeiras. Fazendo assim que ele trabalhe menos do que hoje, porém ganhando mais.

Como eu vejo essas lixeiras como pequenos outdoors sustentáveis, criaremos um sistema em que a empresa cadastrada possa comprar o numero que ela bem entender de lixeiras, tendo um número mínimo, e pelo sistema ela poderia escolher em qual poste ela será colocada, com isso podendo usar projeto também como uma estratégia de marketing.

A Empresa

Dependendo da atuação da empresa ela pode ter muito lixo tecnológico por exemplo, nossos coletores também fariam essa coleta, porém apenas nas empresas que investriam nas lixeiras.

Além disso o coletor passaria nas empresas peridiodicamente para coletar os resíduos, deixando assim a empresa independente da coleta de lixo do Estado.

Até porque uma empresa pode gerar muito lixo no intervalo das coletas, porém se a coleta for quase diariamente não haverá tempo para o acumulo do mesmo.

A Moradia

Além das lixeiras de rua poderia ser criado lixeiras pequenas para serem usadas dentro de casa e que o colaborador que cuida de sua rua, ele também possa recolher das casas todas vezes que passar, caso essa pessoa doe algo e torno de R$ 5/10 por mês.

O colaborador receberá uma % referente ao seu trabalho, mas não como catador.

Mas como assim?

Porque todo material recolhido será convertido em produtos a serem vendidos ONLINE por um sistema, onde o lucro líquido da venda dos produtos será divida 50% para os colaboradores/coletores e 50% para os coletores/artesãos.

Conseguindo assim criar uma ponte do resíduo recolhido até sua transformação em produto e posterior venda.

Acredito que isso poderia dar mais dignidade a essas pessoas com menos trabalho pois ele será mais organizado e eficaz, já que não teremos 2 coletores por quadrante, abrindo assim a possibilidade para mais pessoas necessitadas.

O Produto

Como eu não manjo nada disso eu só consegui pensar em 2 materiais interessantes para isso:

  • garrafas PET
  • caixinhas de leite

Poderia ter uma carcaça de caixinhas de leite pensadas, coladas e endurecidas em um molde. E que seu revestimento interno ou externo ou os dois seja feito de PET já que o mesmo é impermeável, garantindo assim que os resíduos não vazem

O Colaborador

Como sabemos esses catadores trabalham diariamente, agora imagine ter coleta seletiva de lixo todo dia na sua rua e quem quando seu lixo estiver cheio você possa avisar via web ou celular e a coordenação de cada cooperativa iria acionar o colaborador para que ele no mesmo dia recolhesse, obviamente sendo apenas 1x por dia em um horário fixo.

O colaborador faria uma rota fixa por dia, e após o recolhimento doméstico cada cliente do sistema daria uma baixa naquele lixo, para que além de mostrar a coleta em tempo real, o cliente teria um relatório diário/semanal/mensal/anual de quanto entregou de resíduos e em o que esses resíduos foram transformados.

Quem sabe até ver o quanto aquele montato entregue foi convertido em produto e posteriormente em renda para população carente.

Pelo menos eu gostaria de saber o quanto eu consegui contribuir com a sociedade apenas entregando meu lixo, isso sim seria minha ostentação.

A Cooperativa

Cada cooperativa será especializada em transformar um tipo de resíduo em algum produto vendável, como artesato.

Projeto do produto

Além das cooperativas criarem seus produtos, no nosso sistema as pessoas poderiam criar um projeto de um produto com suas especificações e a cada venda o criador do produto poderia levar uma % do valor total do produto, algo como de 1 a 5%.

Para que fomentemos a criação constante de novos produtos para que as vendas não se estagnem pela falta de opções novas.

A Sociedade

Quem mais sairia ganhando nessa história seria a socidedade/comunidade pois sempre terá suas ruas limpas e poderá contribuir com a melhoria social em dua volta.

As empresas participantes também poderiam dar descontos baseados na mensalidade de cada moradia, para que o pessoa comum possa além de ter uma coleta diária de resíduos também e a empresa fidelizaria o cliente.

Não sei essa é uma ideia anarquista, mas hoje em dia o modelo do meu pensamento é sempre criar projetos onde sejam autônomos, auto-gerenciáveis e independentes e que nós os programadores apenas criemos as ferramentas para empoderar as pessoas eliminando a dependência do Estado ou das Corporações, mostrando que se nos unirmos em um objetivo comum podemos viver melhor.

Tá confesso eu escrevi isso loco, me julguem.

Se você também tem ideias sustentáveis como eu e quiser escrever elas pode usar nosso repositório https://github.com/Webschool-io/projetos-de-sustentabilidade.

Comentários

comments powered by Disqus